terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Na noite


Fui a uma balada gay de província.
Embora eu seja um autêntico cidadão provinciano, não frequentei muitas delas em minha vida.
Nárnia? Falta de companhia?
Um misto.
Sou um pouco afeito à boa música. E não muito ao excesso de lascívia.
Prefiro a metrópole. Embora peça a Apolo em toda aurora para que torne a província um lugar cada vez mais habitável a seus filhos.
Eu gosto do caos, da mudança. Do barulho. Da sofreguidão.
Meus amigos da província me acham muito apressado. Não sou amante da lentidão, da observação tediosa do passar das estações. Quero a eficiência. Pode me chamar de fordista.
Quanto à balada, a primeira música a tocar foi um remix desconhecido de uma música sertaneja tão desconhecida quanto (ao menos para mim). Todos se conhecem. O mundo gay  é deveras pequeno na província.
É fácil indentificar o Consilio dos Deuses no Olimpo da festa. São bonitos. São auto-afirmados. São vazios.
Próximo ao bar se concentra a humanidade. Aos filhos de Prometeu falta o verniz da imortalidade. São vulgares. Autênticos.
No centro, como que aos pés do Atlas, uma garota gordinha dança. Ela é a rainha da noite.
Uma clareira na multidão. Uma briga. Éris sempre aparece quando os deuses confraternizam com os mortais.
Conselhos de bons amigos devem ser seguidos. Preciso de álcool. Turvar minhas vistas.
Kylie Minogue se manifesta.
É a desinibição.
Preciso fumar, mas não vou sair sozinho. Deixe o vício para lá, digo para mim mesmo.
Rostos conhecidos. É como uma visita ao Hades. Não irei mergulhar no Estige, preciso voltar o quanto antes.
E se Dante tivesse criado um círculo para os ex-relacionamentos em seu Inferno?
A noite acaba. Helios já começa a despontar no horizonte.
Quero seu beijo dourado.
Minha casa está desarrumada.
Só quero a minha cama.
Morfeu é meu único marido.


*Nota do autor: 
Apolo é filho de Zeus e Leto, irmão gêmeo de Ártemis. Deus da beleza, da harmonia, da perfeição, do equilíbrio e da razão. Seu santuário principal se localizava em Delfos, onde havia o famoso Oráculo. Teve casos homossexuais com os jovens Jacinto e Ciparisso, daí eu sempre citá-lo.
O Consilio dos Deuses é uma espécie reunião que os imortais realizam para discutir os futuros da humanidade em um poema épico. Pode ser encontrado na Ilíada, na Odisséia (ambas de Homero) e em Os Lusíadas (do português Luis Vaz de Camões).
Prometeu foi o titã que roubou o fogo do Olimpo e o repartiu com os homens. É considerado o "pai" da humanidade.
Atlas é o titã condenado a segurar o globo terrestre, no centro do firmamento.
Éris é a deusa da discórdia, responsável por introduzir um pomo de ouro dedicado à mais bela deusa no Olimpo, que gerou a briga entre Afrodite, Atena e Hera. Foi a primeira causadora da  guerra de Tróia, já que as deusas foram consultar Páris, raptor de Helena.
Hades é o deus dos infernos. O Estige é um de seus rios, onde nadam as sombras dos mortos.
Helios é o sol.
Morfeu é o deus dos sonhos, responsável por cobrir o céu com o manto da noite.

2 comentários:

M. Mazzini disse...

Estava no weheartit.com e acabei achando uma foto, que me levou na curiosidade até o blog e aqui, não me controlando só em passar e não deixar pistas, fui obrigada a comentar. Amei o modo que escreveu o texto, utilizando a ligação com a mitologia grega e assemelhando toda uma realidade a um mito. Fantasia e concreto.
Bom, bom.

Ricardo disse...

Obrigado;D